Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

FRANÇA: CAMPANHA A FAVOR DA FRUTA FEIA AUMENTA EM 24% VISITAS A LOJA

Mäyjo, 15.01.16

 frutafeia_1frutafeia_2frutafeia_3

frutafeia_4frutafeia_5frutafeia_6frutafeia_7

 

As frutas feias do Intermarché

A terceira maior cadeia de hipermercados de França, o Intermarché – também presente em Portugal – acabou de lançar uma campanha para reabilitar a fruta feia ou assimétrica. Segundo a campanha, mais de 300 toneladas de frutas e vegetais são desperdiçados na União Europeia, todos os anos, devido ao seu aspecto imperfeito, e cabe ao consumidor mudar esta estatística.

Em 2014, por outro lado, celebra-se o Ano Europeu contra o Desperdício Alimentar, e o gigante do retalho alimentar pretende sensibilizar os consumidores para o facto de as frutas e vegetais feios serem tão ou mais saborosos que os outros.

A campanha inclui uma cenoura e uma clementina deformadas, uma “laranja horrorosa” e um “limão falhado”. “Sim, sabemos que não és perfeita. Mas ser perfeito é uma chatice”, explica uma voz, no anúncio televisivo, à clementina. A campanha foi desenvolvida pela Marcel Paris, uma das mais conceituadas e premiadas agências de publicidade francesas.

Em termos operacionais, o Intermarché colocou frutas e vegetais ditos feios em várias ilhas das lojas. Segundo a empresa, eles foram adquiridos a agricultores que, normalmente, os atirariam para o lixo. Os produtos receberam também a sua própria marca e listagem diferenciada na factura.

Segundo a Marcel Paris, a campanha originou um aumento de 60% no tráfego da secção de frutas e vegetais do Intermarché – e um aumento de 24% nas visitas da loja.

É verdade que esta ação do Intermarché, ainda que resumida apenas a França, é de louvar. Mas não é menos verdade que terão de ser os super e hipermercados a colocarem o tema do desperdício alimentar na agenda dos consumidores – e não estes a fazê-lo.